"Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, imagens, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu. Para um dia plantar suas próprias árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar do calor."

Amyr Klink

sábado, 19 de junho de 2010

EXPEDIÇÃO AO SUL DO SUL - SÃO JOSÉ DO NORTE, ABRIL DE 2008

Há tempos vínhamos tentando organizar um passeio, uma expedição para juntar a turma que freqüenta o Fórum Brasil 4x4 e que na grande maioria só se conhece por e-mails e pelo fórum. O destino escolhido pelo grupo foi uma das regiões mais isoladas do estado do RS, o litoral sul na região de Mostardas a São José do Norte, passando por faróis e cascos de navios encalhados e abandonados na praia.

No feriadão de 21 de Abril de 2008, Tiradentes, finalmente conseguimos reunir um bom número de interessados e a expedição saiu do papel, ou melhor, do computador. A idéia era fazer o trecho Quintão a São José do Norte pela beira da praia, num total de 250km de praias e muita areia, atravessar a balsa para Rio Grande e visitar a maior praia do mundo em extensão, o Balneário Cassino em Rio Grande. Alguns do grupo ainda iriam aproveitar para esticar a aventura pela praia até o Chui para fazer umas comprinhas no Uruguai.

Acordei no sábado às 4:15h e as 4:45h já estava no posto de combustível combinado na BR-116 em Canoas esperando o colega Nanito que vinha de São Leopoldo. Jipe abastecido, pneus calibrados, mochila feita, algumas latinhas de cerveja, água, umas frutas e bolachas para um lanche de improviso e vamos lá.

De lá seguimos até o posto de pedágio de Águas Claras em Viamão, onde se juntou ao grupo o colega Mauricio e seu zeca Giovani em mais um Vitara. Mais adiante encontramos o Marcelo de Sidekick e o Leo Vicente também de Vitara. Combinamos então por telefone com o Dudu, o último a se juntar ao grupo, para nos esperar lá na praia em Dunas Altas, Quintão. Saímos da RS-030 em Capivari e seguimos até Palmares pela RST-101, onde pegamos a estrada da Granja Vargas que leva até o farol e a pequena vila de Dunas Altas.

Chegamos finalmente à beira da praia em torno de 8:00h e após algumas fotos do grupo reunido, iniciamos nossa longa e esperada travessia pela areia da praia, com destino ao Balneário do Mar Grosso em São José do Norte, onde passaríamos a noite. Éramos 04 Vitaras, 01 Sidekick e 01 Samurai e muita disposição para enfrentar o que viesse pela frente. A areia estava um pouco fofa, pesada, e a maré um pouco alta, ou seja as condições não eram as ideais para trafegar pela praia, mas nada que assustasse ou criasse alguma dificuldade maior aos expedicionários.

Mal rodamos uns 30km e pouco antes do Farol da Solidão encontramos uma Sprinter atolada na areia até os eixos.........a galera estava tentando puxar com uma S-10 e cordas.....sem chances. Prontamente paramos para ajudar, afinal esta é sempre uma das partes mais divertidas de qualquer expedição fora-de-estrada.
Primeiramente tentamos com o guincho do Samurai, mas sem sucesso, a Sprinter estava totalmente carregada e ao invés de desatolar arrastava os eixos na areia fofa. Partimos pra algo mais radical, e montamos um “trenzinho” com 04 jipes, saiu na primeira puxada. Foi uma cena muito legal ver 04 Suzukinhos puxando aquele monstro de Sprinter, carregada até o teto de tralhas de pesca.

Seguimos em frente, passando pela região do Bacupari e pelo naufrágio do navio Month Athos .

Em nosso caminho, sempre praias desertas e muita areia, que por sinal estava muito boa para andar, lisinha, uma delicia.

Pouquinho adiante, aos 38km a partir de Dunas Altas, paramos no Farol da Solidão para fotos, um lanchinho rápido e vamos em frente!

Dali tocamos direto até o Balneário Mostardense ou “Praia Nova” como chamam os locais, passando por São Simão, Vila Pai João, pelos pilares de concreto, pelo naufrágio do navio Aline St.Maru e outros pontos de referência clássicos deste trecho do litoral. Entramos pela Praia Nova em direção a Mostardas para abastecermos, afinal este seria praticamente o último acesso a um posto de abastecimento até SJ. Norte.
A natureza sempre presente por todo lado, nos acompanhando e nos brindando com cenas maravilhosas como esta revoada de pássaros.

Com os tanques abastecidos até a boca, retornamos pelo mesmo caminho para a beira da praia e seguimos em frente em direção ao Sul. Como já passava do meio-dia, começamos a procurar um local com sombra para prepararmos nosso almoço, que finalmente foi preparado numa cabana de pescadores abandonada junto ao Farol de Mostardas, devidamente “desapropriada” pelo grupo para o preparo de nossos bifinhos no disco de arado.


Agora com os nossos “tanques” devidamente abastecidos, seguimos em frente, pois ainda havia 140km e muita coisa bonita para ver pela frente. Após a praia de Mostardas ou Praia Nova, o já raro movimento de pescadores e veranistas simplesmente acaba e dali em diante é praia deserta o todo.
A gente anda dezenas de quilômetros pela beira da praia sem cruzar com ninguém.

Seguindo em frente, nossa grande dúvida da expedição era se seria possível atravessar a barra da Lagoa do Peixe, uns 20km adiante do Farol de Mostardas, ou seja se a barra “estaria fechada” na linguagem do povo da região. Normalmente esta barra tem de 1,5 a 2m de profundidade e correnteza forte no fundo, impossibilitando a passagem de veículos.

Esta situação nos obrigaria a retornar a Mostardas e contornar a Lagoa do Peixe pelo asfalto da RST-101 até a altura do distrito de Bojuru, para então retornarmos à praia, o que aumentaria consideravelmente nosso trajeto e nos tomaria um tempo razoável. Porém as informações que colhemos com o pessoal em Mostardas apontavam que a “barra estava fechada” ou seja, seria possível cruzar de jipe pela praia sem problemas.
Com o waypoint da barra da Lagoa do Peixe marcado no GPS, seguimos em frente e para nossa completa surpresa, chegando lá encontramos a barra da lagoa completamente seca, na verdade nem era possível identificar o local exato onde ficava a barra da Lagoa do Peixe. Somente sabíamos que aquele era o local pela marcação do GPS. A Lagoa do Peixe por sua vez estava também quase completamente seca, um cenário triste e bem diferente do que vi quando estive lá 05 meses atrás, em dezembro de 2007.

Continuamos nosso destino rumo ao Sul, pelo caminho, mais naufrágios nesta costa deserta e famosa por seus ventos traiçoeiros.

Seguindo em frente, passamos por mais três faróis no trecho de 120km de praia entre a barra da Lagoa do Peixe e SJ. Norte. O primeiro, na altura de Bojuru, é o Farol de Capão de Fora. Tem sua torre construída em alvenaria e se destaca pela sua altura e por estar localizado numa região completamente isolada e plana, sendo visível da praia a muitos quilômetros de distância. Durante todo o trecho, muita natureza, praias desertas, nenhuma vila ou povoado, e logicamente pássaros em enorme quantidade.

O segundo farol é o Farol da Conceição, uns 60km antes do Mar Grosso em SJ.Norte.


Na verdade são dois faróis, o original de tijolos tombou na praia no início da década de 90, vítima da erosão e das ondas do mar, e hoje temos apenas as ruínas de sua base e de sua torre estendida na praia invadindo o oceano. Em seu lugar, foi construído um farol moderno em estrutura metálica.

Foto do farol da Conceição original, tirada à epoca de seu tombamento na praia.
A turma na beira da praia, junto às ruinas do farol da Conceição tombado na areia.
No entorno do Farol da Conceição encontramos um banhadinho atrás das dunas, onde prontamente a galera aproveitou para brincar com os jipes.
O terceiro farol, o Farol do Estreito, fica a apenas 30km de SJ.Norte e é exatamente igual ao farol metálico da Conceição. Passamos batido, pois o final de tarde se aproximava e tinhamos ainda alguns bons km pela frente até o Balneário do Mar Grosso em São José do Norte.
Finalmente chegamos às cabanas da pousada na praia do Mar Grosso em São José do Norte já com o sol se pondo, às 18:30h.

Detalhe: a cidade de São José do Norte estava completamente às escuras, sem energia elétrica devido a uma falha no gerador que estava abastecendo a cidade. Os cabos elétricos aéreos que trazem energia para a cidade cruzando sobre o canal da Lagoa dos Patos haviam sido desligados para permitir a entrada do casco da plataforma P-53 no porto de Rio Grande. Este foi apenas mais um detalhe pitoresco para dar mais sabor de aventura à nossa expedição.
Depois de todos acomodados em suas cabanas, partimos para os trabalhos de preparo do nosso churrasco à luz de lampião...........a energia retornou somente às 21:00h e após uma grande janta e muita conversa e integração do pessoal, fomos todos descansar pois o dia tinha sido longo e puxado.
Na manhã seguinte acordamos às 6:30h e logo o chimarrão já estava pronto. Após um rápido café deixamos a pousada às 8:00h e seguimos para São José do Norte para a fila da balsa que nos levaria a Rio Grande.
A travessia entre São José do Norte e Rio Grande dura em torno de 45min., e durante o tempo todo curtimos o visual da cidade de Rio Grande do outro lado do canal da Lagoa dos Patos.

Antes de embarcarmos os jipes na balsa e iniciarmos a travessia para Rio Grande, aproveitamos para uma caminhada e uma sessão de fotos pelo cais da histórica São José do Norte.

Ainda vimos e logicamente fotografamos a plataforma P-53 da Petrobras, em fase final de construção no estaleiro montado junto ao porto.

Em Rio Grande, abastecemos os jipes e seguimos em direção à praia do Cassino, parando nos molhes da barra para a tradicional foto do grupo. Ao chegarmos à praia, nos deparamos com um forte nevoeiro, uma maresia que atrapalhava a visibilidade e dominava o cenário daquela manhã de domingo.


Dos molhes seguimos por mais uns 15km até o casco do navio Altair, passando pela praia do Cassino. Ali seria minha despedida do grupo que seguiria a aventura pela praia até o Chui na divisa com o Uruguai, ou seja mais 200km de praia deserta.

Após as últimas fotos do grupo reunido em frente ao Altair, me despedi do pessoal, a caravana seguiu e eu retornei ao Cassino. De lá, segui para Porto Alegre pelo asfalto da BR-116 numa viagem tranqüila e sem pressa.

Ainda arrumei um tempinho para entrar em São Lourenço do Sul para tomar uma cerveja bem gelada e comer alguma coisa curtindo a beira da Lagoa dos Patos.
Fazia muitos anos que não visitava S.Lourenço e fiquei impressionado com a estrutura de lazer que foi criada à beira da lagoa, com um bonito e bem cuidado calçadão para caminhadas, muitos quiosques e árvores e diversos bares e lanchonetes criando um ambiente muito bonito e tranqüilo, perfeito para quem procura descanso e quer admirar a bela Lagoa dos Patos.
De São Lourenço foi uma tocada só até em casa. Encerrei a expedição em clima de muita alegria, pela aventura realizada, pela excelente parceria dos amigos de viagem, e claro por retornar em segurança após tantos km de estrada e tantos lugares visitados. Foram no total 835km medidos no GPS, dois dias de estrada e muitas histórias para guardar na lembrança.

24 comentários:

  1. Adorei tua viagem, curti lendo toda com atenção...
    Fiz um "tur" este ano com a familia, foi muito bom... gostamos de sair totalmente sem rumo, por uns 20 dias e ir buscar paisagens e lugares encantadores...fizemos 1.900 km ao todo. Saimos de são Jerônimo, pertinho da tua cidade de origem.. Rumamos para Caçapava do Sul, Minas do Camaquã, Santana da boa vista, pinheiro Machado, Piratini, Canguçu, Pelotas e são Lorenço. De lá, segimos para o morro da Borússia, em Osirio e fomos para Torres... Chegamos exaustos, como sempre q saimos assim, sem rumo, mas com muitas fotos e histórias para contar...Vlw

    ResponderExcluir
  2. Anidria,
    Que bom que curtiu o post........pois é, viajar por ai sem data de chegada nem rumo definido previamente é o que há de bom.....nosso estado gaúcho tem MUITA coisa bonita a descobrir basta botar o pé na estrada !
    Abraços e boas viagens !

    ResponderExcluir
  3. que lindo passeio ne´? me chamou a atençao que chegastes em s.lourenço do sul, minha terra linda e maravilhosa w que foi tomada pela enxurrada no dia 10 de março,mas ainda vai se tornar mais linda e maravilhosa que antes,dai a razao de chamarmos de : sao lourenço do sol. abraços e bons passeios.

    ResponderExcluir
  4. Amigo (a)

    Tenho uma relação de muito carinho por São Lourenço, e amigos queridos nascidos nesta terra. Ainda quero passear muito e curtir muito a bela Lagoa dos Patos, estou desde já torcendo MUITO pela recuperação da cidade !
    Abraços !

    ResponderExcluir
  5. ótima viagem, amigo. Estou planejando fazer o trajeto praia do quintao até sao jose do norte de amarok com pneus originais. Tu enfrentaste algum lugar difícil de passar?

    ResponderExcluir
  6. Rodrigo,

    Esta é uma viagem maravilhosa e que todo dono de 4x4 deve fazer ao menos uma vez na vida.
    Bom, a viagem em si pode ser muito tranquila ou muito complicada, impraticavel, tudo fica nas mãos do tempo. Com tempo bom, é um abraço. Te programa para fazer a viagem no verão, ou se for inverno, após uma semana ao menos de tempo seco e bom, evitando a todo custo pegar a beira da praia com chuva, vento ou tempo ruim, porque a maré sobe, e a faixa de areia fica impraticavel.
    Obstaculos tem um só, que é a barra da Lagoa do Peixe que dependendo da epoca do ano pode estar aberta e daí é impossivel cruzar. Procura te informar disso ali no balneario Mostardense, ou mesmo na vila do farol de Mostardas. Se estiver aberta, vais ter de contornar via asfalto por Mostardas até Tavares para então descer para a beira da praia novamente.
    O Amarok vai tranquilo. Não te preocupa com pneus originais, na areia eles vão melhor que pneus lameiros pois não cavam a areia. Se quiser, baixa umas libras a pressão que ajuda. Vai tranquilo !
    Rodrigo, boa viagem e depois conta prá gente como foi tua aventura !
    Grande abraço
    Arlei

    ResponderExcluir
  7. valeu, Arlei. To planejando para dezembro. Quando sair te falo. Grande abraço

    ResponderExcluir
  8. Olá, pretendo fazer o mesmo trajeto de moto no carnaval. E tinha dúvidas quanto a possibilidade de ir pela bera da praia.
    Indo até mostarda,o pessoal sempre sabe a situação da barra da lagoa?

    Meu nome é Reges Filho
    email: regesfilho@live.com

    ResponderExcluir
  9. Cara, tu acha que é possivel fazer essa mesma rota que vocês fizeram utilizando um veiculo 4x2?

    ResponderExcluir
  10. Amigo,

    Sim, é possivel fazer o trajeto em 4x2 sim, principalmente se for uma pick up ou camionete mais alta (mas é possivel sim fazer de carro de passeio).
    Lógico, te afirmo isso com ressalvas, tudo vai depender da maré, do clima, da época do ano. Durante o verão a beira da praia costuma ficar "um tapete", e tem MUITA GENTE que desce de Pinhal até Mostardas e região para pescar, em 4x2.

    Abraços e boa viagem !

    ResponderExcluir
  11. Oi meus amigos só queria fazer uma correção.
    A maior praia em estenção é hermenegildo em santa vitoria do palmar rs.

    ResponderExcluir
  12. eu e meu marido adoramos olhamos com atenção as fotos parabens pela determinação muito bom!!!

    ResponderExcluir
  13. Arlei, obrigado por compartilhar as tuas aventuras.
    Tinha diversas dúvidas sobre este passeio e agora, depois de ler tuas dicas, estou seguro pra botar o pé na estrada, ou melhor, os pneus na areia. Vamos fazer o passeio de Cidreira até São José do Norte de moto (ida e volta pela beira da praia). Vamos ver se conseguimos um carro de apoio, de preferência 4x4 pra nos acompanhar. Depois da volta te conto como foi.
    Grande abraço e continue postando tuas viagens.

    ResponderExcluir
  14. Ola, estava procurando um passeio para fazer nas feris de julho!
    E acabei vendo este passeio de voces!
    Eu ja fiz este percurço , eu e um amigo meu com a minha camionete sportag 4x4 somente um veiculo portanto sozinho, se eu atolace !!!!!
    Mas deu tudo certo, eu fiz da barra de rio grande ate a barra do chui, foi inesquecivel!
    Se tiveres interece de ver algumas fotos, tenho varias.
    Abraço.
    Luiz Claudio Lisboa Jardim

    ResponderExcluir
  15. Vamos este final de semana fazer esta trilha, espero que seja tranquila, tambem vou de Amarok como o amigo que escreveu acima, foi muito bom ler este blog, pois fiquei mais tranquilo hehe..., pois nao da para se meter em roubadas e pelo jeito vai ser legal, depois falo como foi abraço.

    ResponderExcluir
  16. Ei amigo, ótimo viagem. Quero fazer algo parecido; saindo do Rio e ir até o Uruguai.

    Sabe se a BR 101 está boa em SC e RS?

    Se puder enviar dicas do roteiros, ficaria feliz.

    - niczuko@gmail.com

    ResponderExcluir
  17. que pena ver esta foto do farol da conseiçao tombado a beira mar tive o previlégio de subir neste farol a muitos anos atras. Nesta foto o farol estava mais a beira do mar, mas quando eu conheci ele era bem mais próximo as dunas. Conheço todo o litoral de Sõ José do Norte a Torres e a esta parte do bujuru é a parte mais estreita entre as dunas e o mar. Gilsão Palmares do Sul

    ResponderExcluir
  18. Muito legal este post....parabéns, me fez lembrar do tempo que acompanhava meu pai em viagem de trabalho da Praia do Mar Grosso ( São José do Norte) até Mostardas / Tavares, pela beira da praia e em algumas ocasiões tinhamos travessias perigosas pela barra da lagoa do peixe.....

    Se tiveres mais fotos deste percurso que possas me enviar, muito obrigado ( eduardoabelaira@gmail.com ).

    Abraços,

    Eduardo Abelaira.

    ResponderExcluir
  19. Ola , amigo ! ce tem o fone da pousada ?

    ResponderExcluir
  20. amei;........ li todo o comentario e adorei. planejamos ir agora nas ferias do neto Rafael ate o chui sairemos de Cidreira mas gostaria de dicas de campig e nao me falaste e te pergunto la nas cabanas e um campig. ?????? um abraço

    ResponderExcluir
  21. somos um moto grupo com motos off roud faremos esta aventura muito boas as informações passa mais segurança. sucesso nas próximas afinal somos todos amantes de aventuras abraço. chico, Nisio, Julio, Jery,Chimia. Estrela rs 81453169,,LETH KROTH AVENTURAS

    ResponderExcluir
  22. Belas imagens. Com certeza deve ter sido maravilhosa a expedição. Tenho vontade de fazer esta jornada de motocicleta, será que seria possível?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eliezer, tranquilo para fazer de moto desde que apropriada o seja modelo trail, e em nome da segurança com pelo menos mais uma moto, evitando o risco de estar sozinho caso algum imprevisto aconteça.
      Boa viagem !
      Arlei

      Excluir