"Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, imagens, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu. Para um dia plantar suas próprias árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar do calor."

Amyr Klink

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

BUSCANDO A BELINA EM CANELA

  O blog (e as viagens) andam meio de lado...outras prioridades e compromissos, e o tempo livre acaba sendo empregado em assuntos menos prazerosos do que pegar o carro e sair por ai.

  Um destes “assuntos” foi a recente aquisição de um carro antigo. Ok, nem tão antigo assim, tampouco um clássico...mas é um modelo que eu gosto muito e representa bem um padrão de acabamento e qualidade que a Ford sempre teve e acabou perdendo a partir dos anos 90.

  Símbolo de luxo e requinte desde seu lançamento em 1981, o Del Rey e mais tarde sua versão perua Belina representam o estágio final da evolução da linha Corcel desde seu lançamento em 1968 como um pequeno e econômico sedan 4 portas com motorização Renault 1.3 litro passando pela sua evolução Corcel II e chegando finalmente ao Del Rey que no final dos anos 80 recebeu a motorização VW AP 1.8 melhorando consideravelmente o seu desempenho.

  O carro em questão é um Del Rey Belina GLX 1.8 ano 90, e foi encontrado em Canela – RS via internet. Estava em excelente estado de conservação, 100% original, pouquíssimo rodada, e trazia de quebra a interessante e bonita combinação de pintura exterior verde metálica e interior bege.
Após uma visita prévia no final de semana anterior para conhecer o carro e alguma negociação, fechei o negocio e marquei com o proprietário para ir buscar o “brinquedo novo” no dia 06 de Agosto.


  No dia marcado peguei um ônibus na rodoviária de POA e subi a Canela para buscar a "criança", carregado de expectativa. Após os rápidos trâmites de cartório e banco, “tomei posse” do novo brinquedo. Ainda em Canela as primeiras fotos junto à famosa igreja de pedra da cidade.



  Em Gramado, a Belina ganhou pneus novos para encarar com segurança e conforto a viagem de volta a Canoas. Os pneus instalados nela, ainda originais de fabrica, estavam “quadrados” e completamente ressecados e com rachaduras, e não ofereciam condição segura de rodar em estrada.


   Já de pneus novos, uma parada para fotos junto ao Pórtico de Gramado, antes de encarar a estrada de volta a Canoas.




   Os 115 km entre Gramado e Canoas foram vencidos sem nenhuma dificuldade ou problema. A Belina encarou a estrada com todo conforto, silenciosa, macia, mantendo velocidade normal junto ao trânsito com tranqüilidade e segurança até a garagem de casa, onde vai ficar guardada recebendo as devidas revisões e “upgrades” e saindo esporadicamente para passeios em finais de semana de sol.

Nenhum comentário:

Postar um comentário