"Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, imagens, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu. Para um dia plantar suas próprias árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar do calor." - Amyr Klink
Neste Blog, encontrarás meus relatos de viagens e passeios pelas belas paisagens do Sul, dicas de aventuras, fotografias.
Vem Comigo !
Arlei Vieira - Editor do Blog

quinta-feira, 8 de março de 2012

VALE DOS VINHEDOS E MONTE BELO DO SUL, MARÇO DE 2012


  Um dos destinos turísticos mais divulgados e conhecidos de nosso estado sem dúvida é o VALE DOS VINHEDOS, formado pelos municípios de Bento Gonçalves, Garibaldi e Monte Belo do Sul e distante 120km da capital Porto Alegre - http://www.valedosvinhedos.com.br/vale/index.php

  Para a grande maioria dos muitos turistas que visitam a região, o atrativo maior são as visitas e compras nas ótimas vinícolas da região e a gastronomia típica italiana. Porém o Vale dos Vinhedos oferece muito mais para aqueles dispostos a se aventurar pelas estreitas e empoeiradas estradinhas de terra do interior do vale e pelos municípios vizinhos, como Santa Tereza e Monte Belo do Sul.

  Foi um busca deste “algo mais” que aproveitei o ultimo domingo dia 04 de março para mais uma vez visitar o Vale dos Vinhedos.

  Na subida da serra via RS-470 a partir de Montenegro, a parada para o almoço foi no excelente Nono Otavio na chegada a Carlos Barbosa (www.nonootavio.com.br). O restaurante funciona no porão de pedras de uma típica casa colonial italiana restaurada alguns anos atrás e onde deste então os proprietários recebem os clientes com um muito bem servido almoço típico colonial italiano.
O Nono Otavio já foi tema de outro post aqui do blog onde há maiores informações e fotos sobre o restaurante:

  Após o almoço seguimos para o nosso destino, o Vale dos Vinhedos. A primeira parada para fotos foi no antiquário localizado na estrada principal no vale, alguns km após o acesso na RS-470.
Os artefatos e objetos à venda proporcionam uma curiosa e interessante viagem no tempo. Alguns “produtos” à venda eram bem interessantes, como estes automóveis antigos necessitando de restauro.




  Entre as opções disponíveis, uma motoneta (scooter nos dias atuais) da famosa marca Lambretta, igualmente pedindo uma completa restauração.


  No capitulo das curiosidades, este artefato merecia um lugar de destaque. Alguém pode dizer o que é isso ???


  De volta à estrada, seguimos cruzando o Vale em direção a Monte Belo do Sul. Pela janela do carro, e por todos os lados que se olhe, paisagens fantásticas e extensos vinhedos cobrindo as montanhas e vales.
Uma das imagens mais impressionantes é o charmoso e exclusivo “Hotel & Spa do Vinho” - http://www.spadovinho.com.br/ - localizado bem em frente à sede da Vinícola Miolo.


  Não resistimos ao convite da paisagem e a despeito do calor forte e do sol, encaramos uma deliciosa caminhada em meio aos parreirais no entorno do hotel, desfrutando da paisagem e do aroma das uvas que se mistura ao ar. A curta caminhada rendeu belas imagens.






  Mais adiante, uma rápida saída da estrada principal para conhecer a região conhecida por Linha Leopoldina, onde um dos maiores destaques é esta singela capelinha.


  Prosseguindo nosso roteiro Vale dos Vinhedos adentro, visitamos a cidade de Monte Belo do Sul, onde a maior atração é a imponente igreja matriz com suas torres que dominam a paisagem.




  Além da bela igreja, a pequena e calma Monte Belo também conserva belos e bem conservados exemplares da arquitetura colonial italiana.


  A partir da sede do município de Monte Belo, seguimos por estradinhas de terra cruzando regiões de colônia em direção à região de Faria Lemos e margens do Rio das Antas, subindo e descendo montanhas, e finalmente retornando a Monte Belo após um percurso de aproximadamente 30km.

  Neste “giro” pelo interior da região do Vale dos Vinhedos, extensos parreirais acompanham o visitante pelo caminho. Como em março estamos no periodo final da “Vindima” (colheita da uva) o trabalho nos parreirais é intenso mesmo numa tarde de domingo e grande parte da safra de uvas já foi colhida.

Cruzamos também por diversas construções e casas típicas coloniais, algumas pequenas vinícolas e belas paisagens como estas:










Um comentário:

  1. O Artefato mencionado na quarta foto seria uma bomba de sulfatar...utilizada em parreiras.

    ResponderExcluir